Diário da Viagem a Marrakech

Eu em Fes fiquei chocado quando vi um homem numa mota e à frente ia o filho sem capacete a segurar no volante. Mal cheguei a Marrakech numa só Mota estava o filho mais velho, o pai e a mãe com o recém-nascido ao colo. Isto diz muito sobre o que lá se passava. 

Cidade muito interessante mas sempre nos píncaros, Marrakech parece uma criança cheia de energia quando acorda às 6 da manhã e vai para a cama dos pais aos pulos e a bater em panelas. 

PRAÇA JEMAA EL-FNA

A praça Jemaa El-Fna é incrível porque a cada 5 segundos há um novo estímulo: um som novo, um marroquino a puxar, um macaco, um carroça com um cavalo, uma música, um marroquino a puxar, um novo cheiro, um marroquino a puxar, um novo barulho, cobras, candeeiros, luzes, um marroquino a puxar.
Bom, eles puxam demasiado.
No geral são bastante simpáticos mas puxam muito. 

Eles lá na praça ganham dinheiro com comissões e então estão sempre a impingir-te coisas. 

Esses marroquinos na praça parecem os influenciadores do Insta com códigos da Prozis. 

Bom, e ser atropelado? Nos primeiros 20 minutos a caminhar pela Medina ia sendo atropelado 15 vezes.
Vou contar-vos com o que é que ia sendo atropelado: motas, carroças, miúdos a correr, burros, cavalos, motas, marroquinos a puxar, tractores, macacos. 

Por pouco que este post não ia dizer: “O Paulo? Muito bom moço, pena ter sido atropelado em Marrocos por uma Piaggio Ape 50”. 

NEGOCIAR 

A cidade é muito gira para visitar especialmente por tão diferente que é, mas cansa muito. É muito giro negociar e ver o ar de ofendido deles quando oferecemos um valor, mas depois aceitam quando damos mais um euro. 

Parece que ao oferecer 10 euros ofendemos todo o negócio dele e a família e os filhos mas por 11 euros já fica fechado. Absolutamente caótico mas excelente experiência se não forem atropelados lá.

JARDIM MAJORELLE

O Jardim é uma visita fundamental em Marrakech, não só por estar bastante bem cuidado e ser muito bonito, mas porque ao entrar dá logo uma sensação de calma face ao caos da cidade. 

Pelo menos durante uma ou duas horas não se ouve apitadelas nem temos nenhum marroquino a empurrar.
Aqui no jardim quem empurra são os turistas para tirarem a melhor foto. Desde que não me estejam a impingir um sítio para eu comer ou um candeeiro para comprar, está tudo bem. 

Yves Saint Laurent descobriu o jardim abandonado após a morte de Majorelle e decidiu comprar e restaurá-lo. E fez um excelente trabalho, pessoalmente não faria melhor. O jardim não é muito grande mas é bastante bonito. Bom, Marrocos é uma experiência inesquecível mas há que ir mentalizado que é uma cultura muito diferente da nossa. Nunca pensei que fosse tudo tão diferente a apenas hora e meia de Lisboa.

CONSELHO FUNDAMENTAL PARA MARROCOS

E para acabar eu sei que isto nunca é dito por travel bloggers nem influenciadores, mas é um conselho que vocês me vão agradecer depois (tenho mbway), ora: levem Imodium ou algo semelhante. De nada.


 

——————————

Gostaste do post?
Segue-me no Insta. Por cada novo seguidor um golfinho na Austrália vai sorrir.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Paulo Ricardo Oliveira (@coisoetal) on

Também podes (e deves) comentar e partilhar: